'

Sobre a Congregação Geral

Postado em 13 outubro 2012 by E. Marçal

“Congregação Geral” é o nome oficialmente usado para designar a reunião plenária na Aula Conciliar. As Congregações Gerais são propriamente as grandes sessões de trabalho do Concílio Ecumênico, durante as quais os Padres Conciliares examinam, discutem e votam os projetos ou textos (chamados também “esquemas”), elaborados pelas Comissões Preconciliares, louvando-os (“placet“), emendando-os (“placet iuxta modum“) ou rejeitando-os (“non placet“), como bem lhes parecer diante do Senhor. Cada Congregação é presidida, em nome e com autoridade do Papa, por um dos dez Cardeais do Conselho de Presidência, ao qual compete dirigir, “ex Summi Pontificis auctoritate“, as discussões durante as Congregações Gerais e moderar a parte disciplinar do Concílio, resolvendo colegialmente os assuntos na direção, decidindo as diversas questões que o Regulamento coloca nas mãos da Presidência ou lhes são encaminhadas pelo Papa.

Os dez cardeais membros do Conselho de Presidência do Vaticano II e outros Cardeais como, por exemplo,
da esquerda para a direita, Giuseppe Siri, de Gênova 

Nove dos dez Cardeias nomeados são Arcebispos residenciais (n.e. de arquidioceses reais, não supressas) e apenas um (Tisserant) é da Cúria Romana. Todos, com exceção de um (Ruffini), já foram Membros da Comissão Central Preconciliar. Há entre eles um italiano, dois franceses, um espanhol, um alemão, um holandês, um norte-americano, um argentino, um australiano e um oriental. […]

Cardeal Eugène Tisserant:
francês, com 78 anos de idade e recebeu a púrpura em 1936. […]
Agora é Prefeito da Congregação Cerimonial, bibliotecário e arquivista da Santa Sé
e Presidente da Comissão Pontifícia para os Estudos Bíblicos.
Sábio de fama mundial e grande orientalista. […]

Cardeal Achille Liénart:
é também francês, com 78 anos de idade.
É o mais venerando dos purpurados franceses,
preside à Assembleia dos Arcebispo e goza de prestígios excepcional na nação. […]
Com 46 anos, foi nomeado cardeal por Pio XI que queria assim apoiá-lo na luta pelos direitos sociais do operário.
Por seu vivo interessante pelas questões sociais, é também conhecido como o “Bispo vermelho”. […]
(N.e. é Bispo de Lille, sua cidade natal)

Cardeal Ignace Gabriel I Tappouni:
Patriarca dos Sírios de Antioquia,
com 83 anos de idade e Bispo desde os tempos de Pio X.
Pois foi sagrado em 1913 e feito cardeal em 1935,
como primeiro purpurado da Igreja Oriental


Cardeal Norman Thomas Gilroy:
Arcebispo de muito equilíbrio e dinamismo missionário,
está à frente de sua cidade natal, Sydney, desde março de 1940.
Recebeu a púrpura no Consistório de 1946 e tem 66 anos de idade

Cardeal Josef Frings:
Arcebispo de Colônia
e Presidente da Conferência do Episcopado alemão, tem 75 anos. […]
Antes de ser professor no seminário,
foi pároco de uma das mais importantes paróquias de Colônia. […]
Pio XII deu-lhe o capelo cardinalício em 1946

Cardeal Enrique Pla y Deniel:
Arcebispo de Toledo, Espanha, com 86 anos de idade.
Doutor em Teologia, Filosofia e Direito Canônico,
foi Professor de Seminário até sua nomeação para o Bispado de Ávila, em 1919.
Em 1941, passou à Arquidiocese de Toledo e Primaz da Espanha.
Foi criador da Universidade Pontifícia na Espanha e fundador de numerosos colégios e pensionatos.
[…] Foi nomeado cardeal em 1946

Cardeal Francis Spellman:
tem 73 anos e é Arcebispo de Nova York.
É americano de origem irlandesa.
Era amigo pessoal de Pio XII, que lhe deu o capelo em 1946. […]
Tem a fama de ter jeito para o que os americanos chamam de “public relations
Tem iniciativas bastante enérgicas e bem sucedidas

Cardeal Ernesto Ruffini:
Arcebispo de Palermo, na Itália, com 74 anos. […]
Depois foi Reitor do Latrão.
Foi também Secretário da Sagrada Congregação dos Seminários e Universidades de Estudos.
Homem, portanto, experimentado na Cúria Romana.
Em 1945, foi nomeado Arcebispo residencial de Palermo


Cardeal Antonio Caggiano:
Arcebispo de Buenos Aires, com 73 anos. […]

Cardeal Bernard Alfrink:
Arcebispo de Utrecht, na Holanda, com 62 anos. […]
Criado Cardeal em 1960

 

 

Nas Congregações Gerais, cada Padre veste o hábito coral de seu respectivo grau: os Cardeais, vermelho ou roxo, conforme o tempo litúrgico, com roquete, manteleta e murça; os Patriarcas, hábito roxo, como roquete, manteleta e murça; os Arcebispos e Bispos, hábito roxo, com roquete e manteleta; os Bispos Orientais, Abades e Superiores-gerais, os hábitos corais de cada Rito ou Ordem. Além destes “Padres”, podem assistir às Congregações Gerais também os Peritos oficiais nomeados pelo Papa (não os particulares, nem os secretários dos Bispos), os Observadores e Hóspedes do Secretariado para a União dos Cristãos e os funcionários e empregados para os trabalhos técnicos.

Frei Boaventura Kloppenburg, teólogo conciliar

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: