Direto da Sacristia
×
×

Fruto da beleza da Liturgia

Postado em 18 Fevereiro 2012por E. Marçal

    Diz o Concílio Vaticano II: “É desejo ardente da mãe Igreja que todos os fiéis cheguem àquela plena, consciente e ativa participação na celebração litúrgica que a própria natureza da liturgia exige e à qual o povo cristão, ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido’ (1Pd 2,9; cf. 2,4-5), tem direito e obrigação, por força do batismo” (Sacrossanctum Concilium, II, 14).

     Foi-nos pedido alguns posts sobre Liturgia e História da Igreja. Atendendo a este pedidos, iniciamos uma série de artigos relacionados a tais temas.

Um pouco de História

 

Vladimir I de Kiev
Enviou emissários pelo mundo para escolher,
mediante o culto celebrado, a sua religião

    No ano de 988, Vladimir, Príncipe de Kiev, enviou emissários a diversos povos para comprovarem que culto religioso prestavam a Deus e assim ver qual ele escolheria para seu reino. Os emissários foram aos búlgaros, mulçumanos, mas as cerimônias realizadas nas mesquitas não os agradaram. Foram então aos germânicos e sem encontrar o que procuravam, finalmente se dirigiram a Constantinopla, onde foram recebidos pelo imperador. Este se alegrou e procurando o Patriarca e lhe disse: “Os de Rus (os de Kiev) vieram conhecer nossa fé. Prepare o templo e os ministros do Senhor revestindo-os com vossas vestes sacerdotais para que possam ver a glória de nosso Deus”.

    O Patriarca convocou seus ministros e segundo o costume celebrou um ofício festivo. Foram preparados os turíbulos e o coro entoou os hinos sagrados.


Patriarca Kirill I de Moscou incensa durante Divina Liturgia
A Igreja Ortodoxa, como outras Igrejas unidas a Roma,
celebram segundo o rito bizantino, o mesmo que deixou admirados
os enviados de Kiev e por meio do qual o seu Príncipe se converteu

    O Imperador entrou com os enviados de Vladimir no templo e os fez sentar-se em um lugar amplo onde podiam ver a beleza do edifício, o canto e o culto que os sacerdotes, diáconos e ministros rendiam ao Senhor. Os legados ficaram profundamente impressionados e maravilhados com os divinos ofícios.

Sua Ex.cia Dom Antônio Keller, Bispo de Frederico Wesphalen, reza oração após a Comunhão
A poesia das palavras, a expressividade dos gestos, a harmonia do canto
e os sinais visíveis
 presentes na Liturgia falam à alma e traduzem,
embora imperfeitamente, os Mistérios celebrados

    Quando regressaram a Kiev disseram ao Príncipe: “O que vimos em Constantinopla não pode ser expresso em palavras. Durante a celebração litúrgica, não sabíamos se nos estávamos na terra ou no céu”.

(cf. El Corazón de La Luturgia, La celebración Eucarística, Félix Maria Arocena, Colección Pelicano, Ediciones Palabra, Madrid, 2004)

Sugestões de artigos