Direto da Sacristia
×
×

Sobre a férula papal

Postado em 11 Abril 2013por E. Marçal

A História Eclesiástica, mais precisamente na categoria litúrgica, indica como já houve concessão ou restrição de insígnias e paramentos entre membros da hierarquia da Igreja – entre sacerdotes e bispos e entre prelados e papas. Entre aqueles, por exemplo, sabemos do uso difundido de dalmática sob a casula em tempos imemoriais da Igreja, mas que posteriormente foi restringido aos bispos e abades. Entre prelados e papas, temos notícia da concessão destes do pálio pastoral aos arcebispos, do tabarro vermelho a alguns bispos, da falda, tiara e sédia ao Patriarca de Lisboa, entre outros. De qualquer modo, mesmo na concessão de insígnias ou paramentos, os papas permaneceram com alguma distinção, como acontece ao seu pálio pastoral que é o único a possuir as cruzes vermelhas. Algo parecido acontece entre o báculo pastoral dos bispos e a férula pontifícia:

Com informações do historiador da Igreja italiano Alberto Melloni, em artigo publicado no jornal Corriere della Sera em 08 fevereiro 20

Coroação Napoleão Bonaparte Josefina Jacques Louis David - detalhe
No detalhe acima da bela e detalhada pintura de Jacques Louis David, vemos à direita o Papa Pio VII,
enquanto um Bispo porta uma cruz processional, ao centro da imagem.
Diz-se Napoleão Bonaparte de ter arrancado a coroa imperial de suas mãos e ter-se coroado a si mesmo e depois feito o mesmo
à imperatriz Josefina, 
momento retratado na cena e acontecido na Catedral de Notre-Dame em 02 dezembro 1804.
Contudo, como quem celebrou a Missa da coroação foi o próprio Papa, ele seria o que está de pálio pastoral atrás do Imperador.

Desde as miniaturas do 18º Concílio de Toledo em 702, e depois na arte sacra, nota-se a diferença entre o pastoral usado pelos bispos e o usado pelo Papa: aquele tem uma volta na extremidade superior e este, termina com uma cruz sem o Crucificado. Mas, somente no século XIII, com a forma monárquica dada ao papado por Inocêncio III e a defesa teológica apresentada por São Tomás de Aquino, foi confirmado que o pastoral dos bispos deveria se curvar com a sua dependência hierárquica à férula da plenitude do poder papal.

Papas Pio XI Pio XII João XXIII férula

Nas fotos, da esquerda para a direita, Papas usando a férula em cerimônias anteriores ao Vaticano II e à inédita de Paulo VI:
Pio XI abre a Porta Santa do Jubileu de 1925, Pio XII em alguma cerimônia e João XXIII na abertura do Concílio Vaticano II

Se o Papa não é um bispo como outros, mas é a cabeça do episcopado, ele também passa a receber, junto com o pálio pastoral, o Anel do Pescador e o triregnum, a férula com uma oração do Arcipreste da Basílica de São Lourenço Fora-dos-muros, igreja romana que até a metade do século XIX gozava do título de “patriarcal” – status equivalente a “Maior” desde que Bento XVI em 2005 renunciou a se declarar como “Patriarca do Ocidente”. A partir do século XVI, porém, a insígnia é usada em circunstâncias muito raras, apesar de, dever possuir as mesmas cerimônias do báculo a um bispo: ser usado enquanto se desloca de um lugar a outro, na administração dos Sacramentos, na homilia etc. O Papa Paulo VI, ao passo que determinava e promulgava a reforma litúrgica depois do Concílio Vaticano II, restaurou o uso original da férula no dia da conclusão do mesmo Concílio, inaugurando a férula de traços modernos e curvos e com o inédito Crucificado, de autoria do escultor napolitano Lello Scorzelli (1921-1997). Os Papas posteriores a usaram, mas isto é assunto para outro artigo.

Sugestões de artigos