'

Categorias | Sem categoria

Quia bene canta, bis ora

Postado em 31 agosto 2010 by E. Marçal

A beleza do canto religioso em uníssono ao louvor dos anjos e santos, de toda a Igreja glorificada no céu. Não se trata de qualquer canto, mas aquele que contenha a mesma doutrina que encerram as Escrituras, e que seja a demonstração sincera e fiel do sentimento e da oração dos cristãos.

Texto do seminarista Carlos Donato, da Arquidiocese da Paraíba.


O canto litúrgico

“Eis pois, diante de Vós todos os anjos
que vos servem e glorificam sem cessar, contemplando a vossa glória.
Com eles, também nós, por nossa voz, tudo o que criastes,
celebramos o vosso nome, cantando a uma só voz”.
Prefácio da Oração Eucarístia IV

Post haec vidi: et ecce turba magna, quam dinumerare nemo poterat, ex omnibus gentibus et tribubus et populis et linguis stantes ante thronum et in conspectu Agni, amicti stolis albis, et palmae in manibus eorum; et clamant voce magna dicentes:
« Salus Deo nostro, qui sedet super thronum, et Agno ».

Depois disto vi uma grande multidão, que ninguém podia contar:
gente de todas as nações, tribos, povos e línguas.
Estavam todos de pé diante do trono e diante do Cordeiro.
Vestiam vestes brancas e traziam palmas na mão.
Em alta voz, a multidão proclamava:
«A salvação pertence ao nosso Deus,
que está sentado no trono, e ao Cordeiro».

Do livro do Apocalipse de S. João 7, 9-10

Hoje gostaria de propor à nossa reflexão semanal sobre o Culto Divino, o tema do canto litúrgico, que, graças a Deus no Brasil está indo bem com o hinário da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que com letra bíblica, melodia fácil e harmonia entre fé e métrica colocou nas mãos do nossos fiéis uma verdadeira obra de arte que deve ser admirada, aprendida e cantada.

Na Liturgia, a Igreja ordena que o louvor da Hierarquia e dos fiéis
una-se às vozes dos anjos e dos santos.

Sabemos todos que o canto litúrgico é uma antecipação do canto dos remidos, cuja referência fizemos no inìcio deste artigo. É o canto da Igreja que, redimida no sangue do seu Esposo, O exalta, O suplica e O louva. Podemos dizer que é a voz do Espírito no meio dos fiéis reunidos em nome de Cristo. A beleza do canto litúrgico deve levar esta assembléia congregada a expressar tangivelmente a alegria da Jerusalém do céu – meta de nosso peregrinar neste “vale de lágrimas”.



Santo Agostinho dizia que quem canta bem reza duas vezes: “Quia bene canta, bis ora”. É uma verdade o pensamento do Doutor da Graça, pois o canto deve ser digno do fim para o qual é usado; deve envolver e levar-nos livremente ao encontro do mistério que cantando celebramos. É belo ouvir o diálogo entre o Celebrante e a assembléia litúrgica alternado-se em canto. É digno sentir vibrar as paredes do templo, sinal de que vibra com o canto a rocha do nosso coração, que, com a graça de Deus, se tornaram semelhantes ao do seu Filho.


O canto litúrgico, porém, é diferente do canto catequético, do religioso, do popular. Ele possui as prerrogativas que declinaremos a seguir:


Primeira. Deve ter letra bíblia ou inspiração bíblica. A letra deve fazer ressoar em nossos lábios aquilo que ouvimos da palavra de Deus proclamada e ensinada na Igreja, uma continuação do mistério de Cristo, meditado por ocasião da liturgia celebrada.

Segunda. Melodia fácil de ser cantada pela assembléia litúrgica. Isto significa que a assembléia não está congregada para um concerto, mas para celebrar Cristo, portanto tem o direito de cantar ao seu Senhor que está presente em seu meio, seja pela palavra, seja pela eucaristia.

Terceira. Tenha sido feito para fins litúrgicos. Usar de melodias não-religiosas existentes para a função litúrgica, que recordarão de muitos fatos, menos do louvor de Deus. Canto litúrgico é fruto de uma experiência de fé vivida em oração com a comunidade dos orantes.


Anjos ápteros (sem asas), com ricos paramentos,
cantando enquanto oficiam a Liturgia

Como é belo ouvir a comunidade reunida em torno do seu Senhor, convocada pelo Eterno Pai, em nome do seu Filho e na ação do Espírito de Amor. Sentir a harmonia dos corações envolvidos no mesmo sentimento, como nos primórdios de nossa santa religião – onde um só coração e uma só alma eram os cristãos. Contudo, harmonia e sentimento não significam sentimentalismo, fé abstrata, êxtases e tantos outros fenômenos que vemos em nosso tempo hodierno, mas saber o que se celebra, porque o fazemos e como o fazemos por meio do canto litúrgico.

Coro da Capela Pontifícia Musical Sistina
Vozes masculinas que elevam o espírito na Liturgia
durante as cerimônias no Vaticano

Mais uma vez convido a conhecer o hinário litúrgico da Conferência dos Bispos brasileiros, uma das poucas conferências episcopais que conseguiu realizar uma obra colossal – reunir em um livro em fascículos uma gama de bons cantos e que nasceram da experiência com o Ressuscitado, atuante em nossas comunidades. Com este belo e precioso instrumento podemos render bela e sacra liturgia, cantando ao Senhor um louvor perene, por meio do cântico novo que brota do coração dos remidos.

Carlos Donato é seminarista da Arquidiocese da Paraíba
Residente no Seminário Internacional Sedes Sapientia
da Prelazia da Santa Cruz e Opus Dei, Roma
Acadêmico de Teologia da
Pontificia Università della Santa Croce
Correspondente e autor de artigos do blog

Categorias | Sem categoria

Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé

Postado em 31 agosto 2010 by E. Marçal


Do boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé



Declaração do diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé,
Pe. Federico Lombardi, S.J.
Bento XVI com o jornalista Peter Seewald

Na semana entre os dias 26 e 31 julho, em Castel Gandolfo, o Santo Padre concedeu ao jornalista alemão Dr. Peter Seewald uma série de entrevistas, respondendo a perguntas sobre vários temas, à semelhança do que já aconteceu duas vezes no passado, com o mesmo jornalista, quando o então cardeal Joseph Ratzinger era Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. As entrevistas foram realizadas em alemão.

O volume será publicado de forma suficientemente rápida (antes do final deste ano) em italiano e alemão, e possivelmente também em outras línguas. Como se observa, os direitos de publicações do Santo Padre são detidos pela Libreria Editrice Vaticana, que também publica a edição italiana.



Do boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé



Palavras do Santo Padre no início da Santa Missa da conclusão
do encontro do “Ratzinger Schülerkreis” (Círculo de alunos Ratzinger)
Castel Gandolfo, 29 agosto 2010

Publicamos abaixo as palavras que o Papa Bento XVI no início da Missa, após a reunião com um grupo de seus estudantes (Ratzinger Schülerkreis), realizada em Castel Gandolfo, de 27 a 30 agosto 2010:

___________________


Caros amigos, no final do Evangelho de hoje, o Senhor nos faz notar que, na verdade, continuamos a viver como os pagãos; como quando nós convidamos, por reciprocidade, apenas aqueles que podem retribuir o convite; quando nós damos apenas para aqueles que podem nos devolver. Mas o estilo de Deus é diferente: O provamos na Santa Eucaristia. Ele nos convida à Sua mesa, que somos precedidos pelos coxos, cegos e surdos; Ele nos convida, a nós que não temos nada para dar. Durante esta Eucaristia, vamos nos deter principalmente por gratidão pelo fato de que Deus existe, Ele é como é, como é que ele é Jesus Cristo, que – embora nós não temos nada para dar e estamos cheios de falhas – convida-nos à Sua mesa e quer sentar à mesa conosco. Mas também queremos ser tocados pelo sentimento de culpa por pagar tão pouco, por viver tão pouco a novidade, o estilo de Deus.

Por isso, iniciamos a Santa Missa pedindo perdão: um perdão que nos muda, que nos fará viver verdadeiramente como Deus, à Sua imagem e semelhança.

___________________


Fotos do “Ratzinger Schülerkreis” em sua edição 2009:

Conferência


Categorias | Sem categoria

O Precursor “sofreu e morreu pela Verdade” (Bento XVI)

Postado em 29 agosto 2010 by E. Marçal


Ofício do dia: Martírio de São João Batista, o Precursor

Omitida a comemoração pelo Dia do Senhor, hoje o Missal Romano assinala a memória do martírio de São João Batista.

“O Cordeiro de Deus adoremos,
a quem João precedeu na paixão”.

Versículo do invitatório próprio do ofício

Salomé dança durante a festa no palácio de Herodes Antipas,
que agrada-o e lhe é prometido qualquer recompensa.
Ela pede, a pedido de sua mãe, a morte de João Batista,
pois este denunciara adultério entre Herodes e a mãe de Salomé.

A Herodes, tendo dado sua palavra, não houve outro
recurso senão atender ao pedido, mesmo conservando
profunda admiração pelo Precursor
Das homilias de São Beda Venerável, presbítero

Precursor de Cristo no nascimento e na morte

O santo precursor do nascimento, da pregação e da morte do Senhor mostrou o vigor de seu combate, digno dos olhos divinos, como diz a Escritura: E se diante dos homens sofreu tormentos, sua esperança está repleta de imortalidade (cf. 3,4).

Nã há que duvidar, se São João suportou o cárcere e as cadeias, foi por nosso Redentor, de quem dera testemunho como precursor. Também por Ele deu a vida. O perseguidor não lhe disse que negasse a Cristo. mas que calasse a verdade. No entanto, morreu por Cristo.

Porque Cristo mesmo disse: Eu sou a verdade (Jo 14, 6); por conseguinte, morreu por Cristo, já que derramou o sangue pela verdade. Antes, quando nasceu, pregou e batizou, dava testemunho de quem iria nascer, pregar, ser batizado. Também apontou para Aquele que iria sofrer, sofrendo primeiro.