'

Novo Auxiliar do Rio de Janeiro

Postado em 29 fevereiro 2012 by E. Marçal

Com informações do boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé
e da Arquidiocese do Rio de Janeiro

O Santo Padre Bento XVI nomeou Bispo Auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro o Rev.do Pe. Luiz Henrique da Silva Brito, 44 anos, do clero da Diocese de Campos (Rio de Janeiro), na qual era Chanceler, Diretor espiritual do Seminário diocesano Maria Imaculada e Pároco da Paróquia São Benedito, concedendo-lhe a sede titular de Zallata.

Mons. Luiz Henrique Brito, 44 anos
Auxiliar eleito do Rio de Janeiro
Bispo titular de Zallata

O Rev.do Pe. Luiz Brito nasceu em 19 maio 1967 em São Gonçalo, na Arquidiocese de Niterói, no Estado do Rio de Janeiro.

Depois de concluir estudos preparatórios no Seminário São Pio X da Congregação dos Missionários do Sagrado Coração, em Juiz de Fora, estudou Filosofia e Teologia nos Seminários de Nova Iguaçu e do Rio de Janeiro (1985-2000). Obteve então a Licença em Direito Canônico no Instituto Superior de Direito Canônico da Arquidiocese do Rio de Janeiro (1991-1992) e a Licença em Teologia Moral na Pontificia Università della Santa Croce, em Roma (2003-2005).

Em 14 dezembro 1991, recebeu a ordenação presbiteral e foi incardinado na Diocese de Campos, na qual exerceu, dentre os ofícios listados acima, ainda o de Juiz auditor da Câmara Eclesiástica.

Atualmente, ainda era membro do Colégio dos Consultores.

Também, na Arquidiocese de Niterói, desempenhava o cargo de Defensor de Vínculo no Tribunal Eclesiástico arquidiocesano e Professor de Teologia Moral no Seminário Arquiepiscopal.

* * *

Sua sagração episcopal acontecerá no dia 12 de maio próximo, às 8h30, na Catedral Metropolitana de São Sebastião no Rio de Janeiro. É 0 quarto bispo Auxiliar eleito durante o governo do Ex.mo Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta.

Orações por seu futuro ministério episcopal.

Categorias | Bento XVI, Cardeais, Curtas

A primeira dama do Colégio Cardinalício

Postado em 27 fevereiro 2012 by E. Marçal

Fotos do Day Life


Segundo o Oblatvs, o célebre vaticanista italiano Andrea Tornielli teve acesso ao diálogo entre o Cardeal Dolan, a sua idosa mãe Shirley Dolan, de 84 anos (a mesma idade do Papa), com Bento XVI na última segunda-feira, dia 20, durante a audiência do Pontífice com os familiares e fiéis dos 22 novos Cardeais.

O curioso e cômico diálogo, beirando a Teologia, demonstra ainda mais a simpatia do Cardeal de New York, que foi o protagonista deste último Consistório e é o ícone da nova evangelização em um Catolicismo florescente nos Estados Unidos da América.

Eis o diálogo:

— Santo Padre, nomeie minha mãe como primeira dama do Colégio Cardinalício.

— Ela é muito jovem para ser a mãe de um cardeal, respondeu Bento XVI.

— Santo Padre, esta declaração é infalível?, retrucou a audaciosa senhora.



R$ 30 mil, carros vaticanos e a PUC peruana

Postado em 25 fevereiro 2012 by E. Marçal

Com informações do “Folha de São Paulo


Paulo Henrique Amorim. Crime de racismo e injúria


Depois de 2 anos de processo, o jornalista da Rede Record Paulo Henrique Amorim foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal a pagar R$ 30 mil de indenização por danos morais ao jornalista Heraldo Pereira, da Rede Globo.

Heraldo Pereira. Doação a mosteiro beneditino

O jornalista global entrou com uma ação contra Paulo Henrique quando este, em seu blog, se referiu a ele como “negro de alma branca” e, ainda, “empregado de Gilmar Mendes” [ministro do Supremo Tribunal Federal] e que ele fazia “bico” como jornalista da Rede Globo.

Agora, a parte mais curiosa da história: Como instituição escolhida para a qual o réu deve repassar, em seis parcelas de R$ 5 mil, a indenização ordenada pelo juiz, Heraldo Pereira escolheu o Mosteiro de São Bento em Brasília. Além disso, deverá ser publicada uma retratação no jornal Folha de São Paulo e no “Correiro Braziliense” (de circulação em Brasília, onde mora o jornalista da Globo), com texto redigido no ato da audiência judicial e aprovado pelo ofendido e pela Justiça.

* * *

Com informações do Humanitas Unisinos

Antonio Cechin. Críticas ao Colégio Cardinalício e lembranças dos carros do Vaticano

 

Antonio Cechin, irmão marista e militante de movimentos sociais, autor do livro “Empoderamento Popular. Uma pedagogia de libertação.”, nas palavras reveladas de sua memória em um artigo seu (onde não faltaram críticas ao Papa, entre elas, sobre a nova europeização do Colégio de Cardeais), lembrou-se dos tempos que trabalhou na então Sagrada Congregação para os Ritos (hoje “para a Causa dos Santos”) e falou de detalhes interessantes sobre os automóveis usados no Vaticano:

Automóvel usado pelo Cardeal-Secretário de Estado

 

“[…]’Stato Città del Vaticano‘. “As três maiúsculas da designação oficial do país em italiano – SCV – estão nas placas de todos os automóveis, em geral carros clássicos, muitos dos quais doação das fábricas de automóveis desse mundão de Deus e por isso mesmo de ótima aparência, sempre em gestos de “captatio benevolentiae” (captação das boas graças) como qualificavam presentes desse tipo, os latinos antigos.

“Captação de boas graças”

 

Eu mesmo, nos dois anos em que trabalhei na Sagrada Congregação dos Ritos, usufruí da mordomia desse tipo de transporte. Sempre que havia uma cerimônia de beatificação ou canonização, de manhã bem cedo, encostava junto à minha moradia, um carrão desses a fim de me levar até o interior do pequeno país também denominado Santa Sé ou Cúria Romana [?]. Saltava do carro bem junto à Capela Sistina e um funcionário já estava à minha espera para vestir-me com a indumentária especial da cerimônia, o ferraiolo.

Segundo o Ir. Cechin, alguns desses carros seriam doação de fábricas automobilísticas,
como acontece ao papamóvel. Ao fundo, é possível ver o Papa Bento XVI

 

Não faltavam humoristas entre o povo, sempre prontos para, na passagem de um automóvel desses, tendo presente o fausto das cerimônias vaticanas, ler SCV, em italiano,“SCristo Vedesse!…” ou seja: Se Cristo Visse!… cotejando a pobreza do Mestre com a riqueza atual da instituição que se declara seguidora”.

* * *

Com informações da Rádio Vaticano


Resgatar a identidade católica da PUCP

O impasse com a Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP) dá ares de chegar à conclusão certa e esperada. E com pontos para a autoridade da Igreja e aplicação das leis canônicas.

O Magnífico Reitor da PUCP, Marcial Rubio. Subversão ao Cardeal de Lima,
submissão às palavras do Secretário de Estado

Na última terça-feira, dia 21, Cardeal Bertone, Secretário de Estado de Sua Santidade, recebeu em audiência o Magnífico Reitor da supradita Universidade, Dr. Marcial Rubio Correa. Antes de tudo, o Purpurado “falou do assíduo e generoso serviço dos vários professores da Universidade que se dedicam à formação qualificada dos estudantes, bem como o vasto quadro de disciplinas que a PUCP oferece aos jovens universitários”. Contudo, o motivo da audiência não era enumerar as virtudes do ensino da Universidade, mas comunicar ao Reitor as conclusões a que chegou a Santa Sé depois de investigadas as questões sobre a nomeação da Reitoria e o posicionamento religioso dos docentes. Por fim, depois de considerados o parecer do Cardeal Peter Erdö, Arcebispo de Budapeste e Visitador Apostólico na PUCP de 5 a 11 de dezembro de 2011 e a proposta apresentada pelo Chanceler, Cardeal Cipriani (Arcebispo de Lima, onde está situada a Universidade), “o Secretário de Estado notificou ao Dr. Rubio Correa o pedido da Santa Sé para que os Estatutos da dita Universidade sejam regularizados o mais rápido possível, adaptando-os à Constituição Apostólica Ex Corde Ecclesiae, para o bem da mesma PUCP e da Igreja no Peru”.

______________

A identidade da Universidade Católica está ligada essencialmente à qualidade dos professores e ao respeito da doutrina católica. É da responsabilidade da Autoridade competente vigiar sobre estas duas exigências fundamentais, segundo as indicações do Direito Canônico (Artigo 4, parágrafo 1 da mesma Constituição Apostólica).

Cân. 810 § 1. Cabe à autoridade competente, de acordo com os estatutos, o dever de providenciar que nas universidades católicas sejam nomeados professores que sobressaiam, não só pela idoneidade científica e pedagógica como também pela integridade da doutrina e probidade da vida, de modo que, faltando-lhe esses requisitos, sejam afastados do cargo, observando-se o modo de proceder determinado nos estatutos.

§ 2. As Conferências dos Bispos e os Bispos diocesanos interessados têm o dever e o direito de supervisionar para que nessas universidades se observem fielmente os princípios da doutrina católica.

Do Código de Direito Canônico

______________

Sua Em.cia Cardeal Bertone. Enquanto chovem dardos contra ele,
prazo até a Páscoa foi dado à Universidade Católica peruana 

Em face da iminência em salvaguardar a identidade católica da Universidade e por um fim à confusão ocasionada pelas discussões do Cardeal de Lima com a PUCP, o Cardeal Bertone pediu que as autoridades universitárias competentes apresentem  até o dia 08 de abril, Domingo de Páscoa, para sua aprovação o Estatuto com as modificações determinadas em 16 de julho do ano passado.

O Cardeal ainda fez votos que a comunidade acadêmica acate o que foi assinalado, para que a PUCP realize “cada vez mais sua missão de oferecer às gerações mais jovens uma sólida formação, firmada na fidelidade ao Magistério da Igreja”.

“E a luz brilhou nas trevas”. Realmente. Agora sim!

Que a resolução desse fato exemplifique a atenção que a Igreja dispensa a tais casos, em um mundo relativista e incerto e em crise, que cada vez mais precisa de unidade e estabilidade no anúncio da fé.